Exposição Natureza Concreta – Curadoria de Mauro Trindade

Exposição Natureza Concreta – Curadoria de Mauro Trindade

A CAIXA Cultural Rio de Janeiro apresenta, de 9 de setembro a 12 de novembro de 2017, a exposição NATUREZA CONCRETA, que discute e aprofunda um tema de interesse permanente na arte, na ciência e na filosofia: as relações dos seres humanos com a natureza e o mundo que os cerca. Entre fotografias, vídeos e instalações em formatos variados, serão apresentadas 94 obras de 17 artistas e grupos brasileiros. O projeto tem curadoria de Mauro Trindade e patrocínio da Caixa Econômica Federal e do Governo Federal.

Participam da exposição: Alexandre Sant’Anna, Ana Quintella & Talitha Rossi, Ana Stewart, Bruno Veiga, Cássio Vasconcellos, Claudia Jaguaribe, Gilvan Barreto, Greice Rosa & Grupo A CASA, Hugo Denizard, Iatã Cannabrava, José Diniz, Luiz Baltar, Marco Antonio Portela, Pedro Motta, Rogério Faisal e Rogério Reis. Em todos, há uma preocupação permanente com a relação entre o homem e o meio ambiente, um tema cada vez mais redescoberto na fotografia contemporânea e que se volta para as próprias origens da arte fotográfica.

Os trabalhos oferecem a oportunidade de se discutir temas como cidades, habitação, mobilidade, ecologia e sustentabilidade, economia e tecnologia, e história e transcendência, sempre colocando o ser humano em perspectiva. “Através das obras de alguns dos maiores nomes da fotografia contemporânea brasileira, a exposição Natureza Concreta propõe uma ampla reflexão a respeito dos limites entre natureza e cultura, objetividade e subjetividade. Os trabalhos operam em um campo ampliado da fotografia, que inclui impressões em materiais variados, vídeos e instalações”, comenta o curador Mauro Trindade.

Na exposição, o público poderá conferir, por exemplo, as fotos inéditas de Alexandre Sant’Anna que renovam o olhar sobre a Amazônia, superando o modelo exótico e colorido da região; as imagens noturnas de Cássio Vasconcellos, reveladoras da serialização da sociedade contemporânea; a série Quando Eu Vi – Bibliotecas, de Claudia Jaguaribe, que propõe uma revisão do conceito de paisagem natural; a série Parques, de Rogério Faisal, que confronta o vazio urbano; e as imagens de pacientes psiquiátricos e travestis de Hugo Denizard.

 

Atividades extras:

No dia 16 de setembro (sábado), às 15h, o curador Mauro Trindade realiza uma visita guiada aberta ao público, com lançamento do catálogo da exposição.

E no dia 28 de outubro (sábado), às 15h, o curador e alguns artistas recebem o público para um bate-papo gratuito. Os ingressos para esta atividade serão distribuídos 30 minutos antes na bilheteria da CAIXA Cultural

Onde:

Av. Almirante Barroso, 25 – Centro
Rio de Janeiro
(21) 3980-3815
Rock in Rio,  Galeria Movimento  e  PandoraPix.

Rock in Rio, Galeria Movimento e PandoraPix.

Em pleno dia mundial do rock a nova Cidade do Rock recebeu 5 dos maiores grafiteiros do país:  Toz, Tinho, Mateu Velasco, Ramon Martins e BR Bogossian que levam seu talento e suas cores aos contêineres que farão parte da cenografia do palco StreetDance no Rock in Rio.

A curadoria é de Ricardo Kimaid Jr da Galeria Movimento,  e a PandoraPix vai produzir   200 impressões  Fine Art dessa intervenção que terão um certificado  numerado e assinados pelos artistas.

As obras  fazem parte do projeto “Arte por um mundo melhor”   e serão vendidas durante o Rock in Rio,  a receita resultante dessa venda será revertida para o Amazonia Live, projeto socioambiental do Rock in Rio, para o plantio de árvores.

 

 

PandoraPix – sua melhor impressão.

PandoraPix – sua melhor impressão.

A PandoraPix é um estúdio de impressão fine art certificado pela Hahnemühle no Rio de Janeiro.

Estamos em Laranjeiras e atendemos em nosso estúdio : galerias, museus, fotógrafos, artistas, designers,
curadores, produtores, arquitetos, amantes da imagem e demais profissionais do mercado de arte.

Nossa produção abrange desde caixas de portfolio até exposições completas, imprimindo em
diversos suportes (papel, canvas,, metacrilato).

Nossas impressões são feitas seguindo padrões museológicos, em papel de algodão Hahnemuhle, Canson
e Awagami que garantem durabilidade de até 250 anos.

Utilizamos materiais de PH neutro, monitores calibrados, impressoras HP Designjet Z3200PS,
com 12 cores de pigmento mineral considerada a melhor e mais moderna impressora para impressões Fine Art.

Somos os únicos no Rio de Janeiro que fazemos certificado numerado e com selo holográfico para as obras.
Enviamos anexo gratuitamente uma obra e seu respectivo certificado para ilustração.

Auxiliamos a realização de projetos de exposição, fazemos tratamento de imagens e interpretação com
o autor ajudando a decidir a melhor mídia para cada trabalho.

Todo o processo supervisionado por profissionais com experiência no ramo de Impressões, ampliações fotográficas, e tratamento de imagem.

Cuidamos com excelência da sua impressão, oferecemos atendimento personalizado e com hora marcada, para quevocê tenha a maior atenção e a garantia da melhor qualidade final do trabalho.

A PandoraPix é a sua nova opção de ateliê de impressão fine art no Rio de Janeiro.

Conte conosco!

Agende sua visita.

www.pandorapix.com

Laranjeiras – RJ

21 3283 8000

 

Exposição Solotransição de Xico Chaves na galeria Movimento

Exposição Solotransição de Xico Chaves na galeria Movimento

Solotransição, título dado por Xico Chaves à sua primeira exposição em galeria particular desde 1989, é esclarecedor já que aponta não somente para as transformações ocorridas em seu trabalho neste período , como também para a consolidação do eixo poético que nucleia seu processo criativo.

O trabalho de Xico Chaves vem se desenvolvendo desde os primórdios dos anos 70 em torno de questões recorrentes como o interesse pela experimentação de linguagens e meios técnicos de natureza diversa. Mas ao lado dessa vertente experimental voltada para a reconstrução poética da vida contemporânea por meio de ações multimidiáticas, Xico vem produzido pinturas e objetos cujo silêncio difere da ruidosa fricção entre arte, palavra e mídias técnicas tão característica de sua obra.

Tal polarização entre o silencio de um ofício ancestral, como a pintura, e a articulação narrativa da crítica política e ideológica aos meandros obscuros do poder institucionalizado − por meio de interlocução alternativa com a cultura popular urbana brasileira − configura, esclarece e justifica a liberdade de Xico ao editar poesia e visualidade, tecnologia e artesanato, articulando-os em rede.
.
Há, portanto, uma contiguidade coerente entre o fazer manual da pintura e o apreço de Xico pela potência temático –semântica das novas tecnologias da imagem (da fotografia à computação). Característica que nos permite afirmar que o núcleo investigativo de qualquer obra de Chaves resulta do afloramento crítico do que os discursos sobre a arte e a sociedade costumam velar

Toda a pintura do artista, desde as séries mais antigas – como as da Nova Matéria, da década de 80 − às mais recentes – como as da série The Big Bang (2017) foi produzidacom minerais, pigmentos naturais e resina acrílica com o intuito de tornar visíveis os materiais de que são feitas, de trazer à superfície da Terra, suas entranhas. Há aqui, sobretudo, a intenção de revelar essa potência invisível (posto que oculta) pelo simples ato de trazê-la à luz tornando-a aparente (e acessível ao olhar).

Tais pinturas e objetos, portanto, não buscam seu sentido nem na palavra, nem na imagem figurada, mas no teor semântico inerente aos materiais neles utilizados. Expostos numa ordenação compositiva mínima estes materiais parecem evocar simbolicamente um âmbito fundamental e permanente (mas não ontológico) que precede, e sobreviverá por milênios ao contexto histórico em que vivemos e onde hoje Xico decisivamente atua.

Por estas razões, a despeito parecerem abstratos, esses trabalhos podem ser tomados, inversamente, como âncoras poéticas do processo criativo experimental de Xico Chaves.

Fernando Cocchiarale

curadoria: Fernando Cocchiarale e Lais Denise Santana

NFORMAÇÕES DE CONTATO ADICIONAIS
contato@galeriamovimento.com
www.galeriamovimento.com
Av. atlantica 4240 – 212 e 213
Rio de Janeiro
(21) 2267-5989
Curso “A fotografia através da arte”  por Agnaldo Farias no Instituto Moreira Salles, SP

Curso “A fotografia através da arte” por Agnaldo Farias no Instituto Moreira Salles, SP

“A fotografia através da arte”, primeiro módulo do curso “Histórias da fotografia”, será ministrado por Agnaldo Farias no Instituto Moreira Salles, SP – IMS Paulista nos dias 26/9, 3/10, 10/10 e 17/10,

das 19h às 21h. O curso tem um investimento de R$200, com desconto de 50% para estudantes, professores e pessoas maiores de 60 anos.

As inscrições já podem ser feitas pelo site Eventbrite: https://goo.gl/vAPgN2

Agnaldo Farias é curador, crítico de arte e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

Mais informações: cursos.paulista@ims.com.br

****
A história de como a fotografia se tornou uma das protagonistas da cena artística contemporânea remonta aos anos 1960, quando a fotografia abstrata, as fotocolagens, as intervenções sobre negativos e a pós-produção da imagem ganham mais espaço, num contexto dominado pela objetividade fotográfica, assim como os registros de performances, os ambientes imersivos com imagens fotográficas e o emprego da fotografia pela arte conceitual, entre outros.

****

Sobre o curso “Histórias da fotografia”

Como alternativa a uma história da fotografia única e cronológica, este curso apresenta histórias variadas a partir de temas que atravessam a produção fotográfica: a arte, as exposições e a imprensa (neste semestre), os livros, a moda e a fotografia amadora (no primeiro semestre de 2018).

Os módulos podem ser cursados de maneira independente, mas as inscrições para um segundo e/ou terceiro módulos têm desconto. R$ 200 na inscrição para um módulo, R$ 340 na inscrição para dois módulos, R$ 480 na inscrição para os três.

• Curso “A fotografia através das exposições” | módulo 2:https://goo.gl/9TSZWY
• Curso “A fotografia através da imprensa” | módulo 3:https://goo.gl/2u6uPW

****

• A fotografia através da arte
Quando: 26/9, 3/10, 10/10 e 17/10
Horário: das 19h às 21h
Valor: R$200, com desconto de 50% para estudantes, professores e pessoas maiores de 60 anos.
Classificação etária: 18 anos
As inscrições já podem ser feitas pelo site Eventbrite (https://goo.gl/vAPgN2).
Mais informações: cursos.paulista@ims.com.br

Exposição do fotógrafo Demian Jacob

Exposição do fotógrafo Demian Jacob

Abertura da exposição do fotógrafo Demian Jacob e curadoria de Joaquim Paiva e Marcos Bonisson. Esta exposição é resultado da primeira edição do Prêmio Ateliê da Imagem de Fotografia,

O trabalho Devaneios se manifesta a partir de uma poética espacial, por diferentes vertentes, seja no exercício de ordenação ou na tentativa de refletir o mundo ao redor.

Uma constelação de signos visuais em rotação, quase-filme, quase-livro. Uma pesquisa que se desenvolve no cotidiano, seres presentificados pela sua ausência.

Através da pele das coisas, atitudes se tornam formas. Capturas feitas entre o início de 2014 e o final de 2016, com negativo 35mm, em fluxo, a maioria das vezes com uma câmera no automático.

Demian jacob é artista visual brasileiro do Rio de Janeiro, formado em Geografia e Meio Ambiente na PUC- Rio e Pós graduado em Fotografia memória e Comunicação pela UCAM, durante a gradução

frequentou vários cursos de fotografia arte e design. Em 2015 formou-se em fotografia grande formato pelo ICP-NY, paralelamente ao curso trabalhou com fotógrafos como Marcelo Gomes em Nova Iorque.

Recentemente teve a série de polaroide “Objetos Deslizantes” selecionada para fazer parte da coleção do Museu de Arte do Rio – MAR.

Seu trabalho tem ênfase na percepção de uma nova paisagem e relação do homem com o espaço geográfico. Usando sempre os recursos da fotografia revelando seus próprios negativos, usando a Polaroid e

o super8 filme desenvolve pesquisas em diferentes áreas.

http://www.demianjacob.com/

CONVOCATÓRIA DE BONECOS DE FOTOLIVROS vai até dia 10/09  – VALONGO

CONVOCATÓRIA DE BONECOS DE FOTOLIVROS vai até dia 10/09 – VALONGO


O Valongo Festival Internacional da Imagem abre sua convocatória para bonecos de fotolivros, que serão apresentados durante as projeções noturnas realizadas no festival.

Os bonecos deverão ser apresentados em formato vídeo, com especificações detalhadas nesta convocatória.

Os três melhores envios serão premiados e uma série de outros bonecos serão selecionados como finalistas e apresentados durante o festival.

Podem participar desta convocatória fotógrafos profissionais e amadores que tenham um boneco de fotolivro não publicado, por editora ou de maneira independente, sem restrição de nacionalidade ou residência.

Os três autores premiados devem confirmar sua presença no Valongo, de 4 a 8 de Outubro de 2017, para recebimento e usufruto dos prêmios recebidos.
Deverão ser enviados projetos não publicados,

de temática livre e sempre apresentados em formato de vídeo. Não aceitaremos o envio de bonecos pelos correios ou entregues pessoalmente nesta convocatória.

Cada autor poderá enviar quantos bonecos quiser, desde que realize uma inscrição por projeto. Apenas um projeto por autor será selecionado.

CRONOGRAMA

– Inscrições: até 10 de setembro/2017, via online

– Taxa de inscrição: não

– Premiação: sim.

– Regulamento  Inscrição: http://bit.ly/2wkwayB

Rumos Itaú Cultural 2017-2018

Rumos Itaú Cultural 2017-2018

Projeto tem  cerca de R$ 15 milhões para Projetos, o Itaú Cultural abriu  as inscrições para o Rumos 2017-2018, edital público de fomento à produção e à difusão de trabalhos de artistas, produtores e pesquisadores brasileiros.

As inscrições para essa  edição  vai  até 3 de novembro, exclusivamente pelo  site rumositaucultural.org.br. O resultado será anunciado até o dia 28 de maio de 2018, com divulgação da lista de projetos no site do Itaú Cultural.

 

Convocatória: Carpintaria Para Todos, Rio de Janeiro.

Convocatória: Carpintaria Para Todos, Rio de Janeiro.

A Carpintaria vai receber, instalar e expor seu trabalho. Serão aceitas obras de todas as naturezas – desenho, colagem, fotografia, pintura, escultura, instalação, vídeo, filme, performance etc.

10 de agosto de 2017, quinta-feira, das 10 às 19h

Carpintaria
Rua Jardim Botânico 971, Jardim Botânico, Rio de Janeiro, RJ

APRESENTAÇÃO

Carpintaria Para Todos é uma exposição coletiva formada por um único critério: a ordem de chegada dos participantes. No dia 10 de agosto, das 10h às 19h, a Carpintaria (Rua Jardim Botânico 971, Rio de Janeiro) estará de portas abertas para receber uma obra de arte de qualquer pessoa interessada em mostrar seu trabalho. Sem nenhuma curadoria, qualquer um poderá participar desde que siga as especificações listadas no texto-convite divulgado no site e nas redes sociais da Carpintaria.

O projeto funciona como uma releitura do evento homônimo realizado em setembro de 2012, no Galpão do Liceu de Artes e Ofícios, paralelo à 30ª Bienal de São Paulo. A proposta surgiu da reunião de alguns profissionais do campo da arte com um objetivo em comum: realizar uma exposição na qual presencia-se uma suspensão de valores e hierarquias, criando assim um espaço experimental de colaboração, que opere em rede e que se desdobre em múltiplos debates.

Com este intuito, o grupo resgatou a importante figura do curador norte-americano Walter Hopps (1932–2005), que desenvolveu uma série de projetos entre os anos 60 e 70, segundo ele mesmo, “imprevisíveis e irregulares”. Atuando sempre de maneira não convencional no circuito de arte contemporânea de seu tempo, Hopps se interessava em trabalhar outros formatos de curadoria e outras relações entre público e privado, tensionando a esfera institucional e o espírito anárquico da arte. Da mesma maneira, é relevante destacarmos como inspiração nomes como o do historiador e crítico de arte Walter Zanini (1925–2013), cuja atuação à frente do MAC-USP, de 1963 a 1978, contribuiu significativamente para ampliar os espaços de reflexão e exibição da arte, através de ambiciosos projetos expositivos como o JAC (Jovem Arte Contemporânea). Carpintaria Para Todos também dialoga e soma-se ao espírito colaborativo de outras ações artísticas que aconteceram e ainda acontecem na cidade do Rio de Janeiro, como Zona Franca, Alfândega, Orlândia e as exposições Abre Alas, realizadas há mais de uma década pela A Gentil Carioca.

No encerramento da exposição, sábado 19 de agosto, a partir das 17h, acontecerá uma conversa entre os membros do comitê voluntário e os artistas participantes do projeto, tendo como eixo as práticas expositivas colaborativas na cena artística carioca e nacional. A conversa será pontuada pela exibição de trechos de filmes, vídeos e materiais de arquivo diversos.

Os organizadores e colaboradores voluntários deste projeto são: Alexandre Gabriel, Alessandra D’Aloia, Barrão, Bernardo Mosqueira, Eduardo Ortega, Laura Mello, Luisa Duarte, Marcelo Campos, Márcia Fortes, Mari Stockler e Victor Gorgulho. Os colaboradores estarão pessoalmente no local da exposição ajudando a receber as obras e montar a exposição.

REGULAMENTO

Você está convidado a comparecer com uma obra de arte de sua autoria na Carpintaria (Rua Jardim Botânico 971 – Rio de Janeiro) na quinta-feira, dia 10 de agosto de 2017 das 10h às 19h. Nós iremos receber e instalar seu trabalho no espaço expositivo da galeria. A mostra estará aberta para o público do dia 10 a 19 de agosto, de terça a sexta, das 10h às 19h, e aos sábados, das 10h às 18h.

Serão aceitas obras de todas as naturezas – desenho, colagem, fotografia, pintura, escultura, instalação, vídeo, filme, performance e o que mais você inventar – e sua participação estará garantida desde que:

Você leve em pessoa o seu trabalho;

O seu trabalho passe pela porta (1,80 x 2,10 m);

Você traga todo o material necessário para a sua instalação, exposição e funcionamento. Haverá montadores para auxiliar na montagem;

A sua obra de arte preserve a integridade física e respeite os outros trabalhos em exposição, o público e o espaço expositivo;

Você entregue sua obra nas mãos da produção que escolherá o local de instalação do trabalho. Caso queira deixar um material impresso relacionado ao trabalho, iremos disponibilizar um local para consulta;

Se o trabalho for uma performance, o horário de apresentação será definido em acordo com a produção. O registro em vídeo ou foto da sua performance poderá ser exposto posteriormente na mostra;

Você se comprometa a retirar a sua obra do local expositivo ao final da exposição, no prazo estipulado pela produção;

Qualquer dano ou perda da obra durante a sua montagem, exposição e/ou retirada será considerada como parte do processo. Haverá segurança e monitoria durante a exposição, mas a produção não pode garantir ressarcimento de eventuais danos;

A Carpintaria não fará o intermédio comercial das obras dessa exposição, mas os interessados poderão contatar diretamente os artistas. Haverá uma lista com a ficha técnica das obras e o e-mail dos artistas na recepção.

 

Mais informações: carpintaria@fdag.com.br

 

 

ProAC Seleciona Projetos Culturais

ProAC Seleciona Projetos Culturais

ProAC – Programa de Ação Cultural do Governo do Estado de São Paulo é instrumento de apoio à cultura e aos artistas em geral, através do incentivo à Cultura.

Trata-se de uma mecanismo de incentivo de seleção de projetos, que possibilita a captação de recursos através de ICMS, aos grupos e artistas que tenham projetos aprovados na modalidade de captação através do ICMS ou por meio de editais, modalidade em que os artistas e grupos não precisam buscar empresas/incentivadores para abater a doação no ICMS, pois os editais oferecem “prêmio” de valor certo para os projetos aprovados.

Os novos editais foram divulgados e as inscrições podem ser efetuadas até: 14 de agosto de 2017, exceto se houver alguma prorrogação, devendo os interessados acompanhar as eventuais retificações ou prorrogações dos editais.

Foram liberados novos editais para as seguintes modalidades:

– Música Erudita;
– Difusão e Acesso em Arquivos Permanentes;
– Gravação e Apresentação ou Circulação de Música Popular;
– Gestão e Preservação em Arquivos Permanentes;
– Música Instrumental;
– Festivais de Artes I;
– Estímulo à Leitura em Bibliotecas Municipais;
– Festivais de Artes II;
– Criação e Publicação de Histórias em Quadrinhos;
– Criação e Publicação Literária – Poesia;
– Criação e Publicação Literária – Prosa;
– Criação e Publicação Literária – Dramaturgia;
– Criação e Publicação Literária – Infantil e/ou Juvenil;

Os prêmios variam de R$ 20.000,00 a 180.000,00 conforme a modalidade do projeto, com inscrições para pessoas físicas ou pessoas jurídicas (empresas), conforme estabelecido no edital para cada projeto, individualmente.

Para conhecer a íntegra dos editais, é necessário acessar o site do ProAC Editais:

Acesse: ProAC Editais

Vidas Deslocadas – Exposição Museu do amanhã

Vidas Deslocadas – Exposição Museu do amanhã

Milhões de vozes ecoam pelo mundo por um lugar seguro fugindo da violência ou da fome. Mas outros milhões também são forçados a deixar seus locais de origem por razões climáticas. Embora os refugiados ambientais ainda não sejam reconhecidos pelos governos, existe um alto consenso entre os cientistas de que a mudança climática, em combinação com outros fatores, aumentará o deslocamento de pessoas em um futuro não muito distante.

Diante desse problema de importância mundial, o Museu do Amanhã, em parceria com o ACNUR e Agence France-Presse (AFP), inaugura Vidas Deslocadas, nova mostra que será aberta ao público no dia 21 de junho. Por meio de cenografia, textos e fotos, Vidas Deslocadas apresentará algumas das causas do refúgio ambiental e o drama de quem já viveu essas situações em  diversas partes do mundo.

O Museu, concebido com o propósito de conscientizar o público sobre a urgência de agirmos hoje para desenharmos o Amanhã que queremos, traz esse tema à tona, já que debater soluções para a questão do clima está em seu cerne.

Um dos destaques de Vidas Deslocadas será uma obra de arte feita com coletes salva-vidas utilizados por refugiados que chegaram à Europa pela Ilha de Lesbos, na Grécia. Chamada S.O.S (Save Our Souls – Salvem nossas Almas, na tradução do inglês), a instalação foi criada por Achilleas Souras, um jovem artista de 16 anos, e já foi exposta na Itália e na Espanha.

Início: Quarta, 21 de junho de 2017
Término: Domingo, 10 de setembro de 2017
Local:  Museu do Amanhã – Rio de Janeiro
Horário:  ter – dom 10h-18h

 

 

Impressão PandoraPix

 

Festival Encontros da Imagem – Braga Portugal   2017 –  Celebração 30 anos.  Open Call até 31 de Julho

Festival Encontros da Imagem – Braga Portugal 2017 – Celebração 30 anos.  Open Call até 31 de Julho

30º Aniversário

Tendo tido a sua primeira edição em 1987, o Festival Encontros da Imagem celebra este ano, trinta anos da sua fundação. A edição de 2017 decorrerá entre os dias 15 de setembro e 29 de outubro

e será uma edição de celebração. Encontros da Imagem – 30 anos.

 

O Festival

Num tempo em que a imagem adquire uma força inesperada, demonstrada pelo poder que tem de cativar e até iludir, os territórios da fotografia têm ganho cada vez mais importância e vivacidade.

Todos os anos, durante o meses de setembro e outubro, os Encontros da Imagem ocupam diversos edifícios históricos, museus e galerias.

 

Open Call

Os Encontros da Imagem reafirmam a vontade de continuar a lançar novos autores emergentes – nacionais e internacionais – e promovem numa oportunidade única para artistas de todo o mundo,

a possibilidade de através de uma chamada pública vir a ser selecionado por um júri internacional e ver o seu trabalho exibido na edição dos Encontros da Imagem de 2017.

 

Open Call

Prémio Descoberta

2017

O Festival Internacional de Fotografia e Artes Visuais

ENCONTROS DA IMAGEM convida todos os autores

à submissão de candidaturas à edição de 2017,

comemorativa dos 30 anos.

Considerando o sucesso das edições anteriores,

o Festival abre uma nova OPEN CALL, reafirmando

a vontade de divulgar autores emergentes –

nacionais e internacionais – e promover obras

selecionadas segundo critérios de qualidade.

Com esta oportunidade, os selecionados integrarão

uma exposição coletiva e projeções da Edição

2017, bem como terão a possibilidade de participar,

posteriormente, em Exposições Individuais,

a promover pelos ENCONTROS DA IMAGEM.

O prazo de candidatura inicia-se a 6 de julho

e estende-se até 31 de julho de 2017.

No dia 10 de agosto serão anunciados os resultados

dos autores selecionados, após avaliação e seleção

realizada por um júri internacional.

O Festival ENCONTROS DA IMAGEM 2017

realiza-se de 15 de setembro a 29 de outubro

nas cidades de Braga, Barcelos, Guimarães,

Vila Nova de Famalicão e Porto.

Entre os dias 15 e 17 de setembro decorrerá

o Periodo de Abertura

 

Regulamento e formulário de candidatura aqui.

Alessandra Sanguinetti

Alessandra Sanguinetti

Alessandra Sanguinetti , nascida em 1968 em Nova Iorque, onde vive atualmente é fotojornalista, fotógrafa documental e membro da Magnum Photos desde 2007.

Viveu na Argentina de 1970 até 2003 e tem fotografias em coleções públicas e privadas, tais como o Museum of Modern Art de Nova Iorque (MoMA) e The San Francisco Museum of Modern Art.

Já publicou, também, em revistas como The New York Times Magazine, LIFE e Newsweek.

Série: “As aventuras de Guille e Belinda”. A ideia de construir a série, que se tornou exposição e livro, foi, em parte, obra do acaso. Sanguinetti conheceu-as quando tentava fotografar animais perto da fazenda de seus pais para um projeto diferente
(e nunca concluído). “Beli e Guille estavam sempre correndo, escalando, perseguindo galinhas e coelhos”, contou a fotógrafa, em entrevista ao The New Yorker.

Às vezes, tirava uma foto das duas apenas para que se afastassem e parassem de espantar os animais, até mudar de ideia, no início do verão de 1999.

“Elas tinham 9 e 10 anos na época e, um dia, ao invés de pedir para que fossem embora, deixei-as ficar”. A fotógrafa conta que, como se tratavam de crianças, simplesmente brincavam, e costumavam transformar suas ideias para fotografias em novas brincadeiras. “Qualquer sugestão de imagem que eu dava,
elas adaptavam para sua própria situação”, relembra. Sanguinetti define o período como o mais feliz de sua vida, talvez pelo fato de que, nas palavras da própria, significou uma desculpa para certa regressão, para se tornar criança novamente. “Eu havia passado um tempo na Suécia, que pode ser extremamente escura e fria. Quanto voltei à Argentina, lá estavam elas”. Essas imagens foram exibidas pela primeira vez em 2004, mas a segunda parte do projeto foi concluída quase dez anos depois. The life that came(2009) (algo como “a vida que seguiu” ou “a vida que veio”), sediada como exposição na Yossi Milo Gallery, em Nova Iorque, mostra de forma subjetiva a maneira como as duas, já jovens mulheres, enfrentam o crescimento, a maternidade e os relacionamentos.

 

 

Pin It on Pinterest