Cinco fotógrafos  chineses contemporâneos emergentes que você deveria conhecer.

Cinco fotógrafos chineses contemporâneos emergentes que você deveria conhecer.

A recente morte do fotógrafo chinês Ren Hang  aumentou o interesse do  mundo da arte sobre a fotografia contemporânea chinesa e quais são os fotógrafos emergentes mais talentosos e promissores daquele pais.

1- Chi Peng

 

Chi Peng, nasceu em  1981 em Yantai,  formou-se  na Academia Central de Belas Artes (CAFA). Ele se tornou um artista reconhecido internacionalmente antes dos 30 anos, e é considerado um dos mais inovadores Expoentes da arte contemporânea chinesa avant-garde.   Com a manipulação digital em suas imagens ele consegue combinar hábilmente a realidade e a ficção.

 

2- Wang Ningde

Alec Soth

Alec Soth

impressão fine art

Niagara Falls tem sido um destino para recém-casados e amantes. Alec Soth viajou para lá em 2004, para explorar apenas porque  Niagara é associado com a sexualidade, a paixão e novos amores.

Com nomes como Hotel luz de velas, Felicidade e Rainbow Inn, os hotéis já não tem a mesma ocupação de antes e  são  e são meio antigos e  datados,  mas ainda abrigam  pequenos gestos de romance

para casais em lua de mel.  Foi em um desses quartos de hotel que Soth tirou  esta foto emblemática:  um par de toalhas formando cisnes  se beijando.

Você  vai descobrir agora  as histórias não contadas que estão por trás dessa imagem, segue entrevista com  Alec Soth

O que está acontecendo nesta fotografia?

Esta é essencialmente uma vida-morta,  pouco está acontecendo. São  simplesmente toalhas dobradas em uma cama. Eu  ví como criando a forma de um coração, mas muitos os vêem como dois cisnes.

Onde e como foi feita esta imagem?

Em 2004 eu estava trabalhando em um projeto em Niagara Falls. Niagara é famosa como um destino turístico, especialmente para os recém-casados, mas seus dias de glória já se foram  há muito tempo.

Eu  fiz sete viagens para a região e me  hospedei em inúmeras  motéis diferentes. Quando  eu abrí a porta deste  motel,  foi surpreendido com  essa cena.

O que estava acontecendo fora do quadro?

Quando eu encontrei esta cena, o sol estava se pondo e o quarto estava  dourado. Embora não seja uma imagem de “momento decisivo”, eu tive que trabalhar muito rápido para obtê-lo.

Se você não tivesse tirado essa foto, o que você teria feito naquele momento?

Eu estava exausto depois de um longo dia de filmagem. Então eu tenho certeza que eu teria enchido meu balde de gelo e derrubado um copo de uísque.

Conte-nos um segredo sobre esta imagem?

O que faz com que essa imagem funcione, para mim, é a forma como a câmera de grande formato que eu estava usando transforma o espaço.  E afeta a profundidade de campo para que as toalhas fiquem  em foco,  mas o fundo não , a câmera comprime o espaço. Para mim, este quadro quase parece que foi feito em uma casa de boneca.

 

 

Daisuke Yokota

Daisuke Yokota

Daisuke Yokota, de 33 anos, de Saitama, no norte de Tóquio, no Japão, tem uma longa, meticulosa abordagem à fotografia, o tipo de trabalho que só um obsessivo embarcaria.
As fotografias de Daisuke Yokota são fortemente baseadas em processos.
 
O processo de Yokota é bastante complicado. Imagine que você pegue um arquivo digital, e salve usando a compressão jpeg em uma configuração de baixa qualidade (resultando em um arquivo menor). Se você reabrir este arquivo e repetir o processo, a compactação será aumentada. E a imagem fica cada vez mais degradada com cada iteração. Você pode pensar no processo de Yokota como uma versão muito mais complexa desse processo, com várias partes analógicas. As fotografias estão sendo impressas, refografadas, o filme é revelado de maneiras geralmente pouco recomendadas (a temperatura pode ser muito alta),
Este processo dá ao trabalho de Yokota sua própria aparência. Ou melhor, ele contribui com um componente notável para este olhar e sentir. Afinal de contas, a escolha do assunto, o enquadramento, o uso da luz artificial (flash) … Todas essas escolhas, muitas das quais parecem ser aleatórias no início (mas que não são), contribuem para fotografias que são muito diferentes de O que vemos na fotografia contemporânea de hoje. Onde o Novo Formalismo popular de hoje produz imagens que, em sua maior parte, parecem ter a intenção de se superar em termos de sua clinicidade destacada, de estar desprovido de muita paixão sensual, as fotografias de Yokota vivem nas sombras.
Festival de Fotografia de Tiradentes 2017

Festival de Fotografia de Tiradentes 2017

O Festival de Fotografia de Tiradentes – Foto em Pauta chega à sua sétima edição em 2017.

Entre os dias 22 e 26 de março, a cidade será palco de diversas exposições, workshops, palestras, debates, leituras de portfólio, projeções de fotografias e atividades educativas voltadas para a comunidade local.

Workshops e palestras com nomes de destaque na fotografia brasileira além de exposições gratuitas prometem mergulhar a cidade e seus visitantes na fotografia e suas possibilidades.

Visite o site oficial para saber toda a programação e reserva seu lugar.

Clique na imagem para ser redirecionado.

Ren Hang

Ren Hang

O jovem fotógrafo chinês Ren Hang  faleceu aos 29 anos.

Dono de um trabalho polêmico com conteúdo sexual explícito, foi censurado inúmeras vezes em seu país onde nunca obteve reconhecimento devido ao conservadorismo chinês.

Ren Huang morreu em plena explosão de seu trabalho com exposições planejadas e em andamento.

Encontramos mãos, pernas, cabeças, partes do corpo e novas formas humanos-animal mostrando um talento admirável.

A Editora Taschen publicou seu primeiro livro de fotografias em janeiro.

 

 

 

 

Abertos 5 novos editais de Fotografia Contemporânea!

Abertos 5 novos editais de Fotografia Contemporânea!

Principais fundações e eventos culturais do Brasil divulgaram recentemente diferentes editais que buscam fomentar e premiar a produção contemporânea de fotografia Brasileira. Abaixo, listamos alguns deles que você não pode deixar de dar uma olhada:

A nova edição do Prêmio FCW de Arte (Ensaio Fotográfico) terá inscrições abertas a partir do dia 02 de janeiro, até o dia 31 de maio de 2017, com o tema “Brasil – Desafios em Movimento”. Nesta décima quinta edição o Prêmio privilegia o Ensaio Fotográfico e é aberto somente para fotógrafos brasileiros natos e brasileiros naturalizados. Poderão ser inscritos ensaios fotográficos compostos de 10 a 15 imagens, produzidos em território brasileiro, entre 1.º de janeiro de 2015 e 31 de dezembro de 2016.

O resultado final do concurso será divulgado até o dia 9 de junho de 2017. A premiação ocorrerá na segunda quinzena de setembro de 2017. Para mais informações, veja aqui.

Abaixo duas convocatórias para a participação no festival.

Esse ano, o festival abriu duas convocatórias: A primeira é para uma exposição coletiva que tem como tema “Ficções – A fotografia além do Real”. A mostra pretende provocar uma reflexão sobre a natureza da fotografia no processo de representação do mundo; a imagem enquanto espelho ou simulacro do real. Como a fotografia é capaz de construir e inventar com os dados da realidade? E qual o seu limite?. Você pode ler mais sobre a exposição em seu edital.

A outra é uma novidade no Festival: um espaço para que 20 autores selecionados mostrem seus trabalhos para os convidados e para o público, sendo assim uma mistura de mostra e leitura de portfólios. As Informações sobre a apresentação se encontra em seu edital, assim como o primeiro.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia realiza em 2017 a sua 8ª edição. Depois de se voltar para a Coleção de Fotografias este ano, o projeto retorna ao formato de edital. “Poéticas e lugares do retrato”, temática escolhida, tem como objetivo selecionar e premiar obras que proponham um diálogo com as práticas e poéticas do retrato, desde a sua configuração tradicional até as experiências e representações que possam expandir os seus lugares e significados enquanto ação artística. As inscrições estão abertas e seguem até 15 de fevereiro de 2017. 

Confira nos seguintes links o edital e a ficha de inscrição.

A Residência Artística da FAAP -Fundação Armando Alvares Penteado, localizada no Edifício Lutetia, centro de São Paulo, recebe inscrições de artistas estrangeiros ou residentes em outros estados brasileiros que estejam interessados em desenvolver projetos de artes visuais na capital paulista.

O período de permanência deverá ser de dois a seis meses no segundo semestre de 2017.Para participar do processo de seleção, o candidato a um dos estúdios do Edifício Lutetia deve encaminhar o projeto que pretende desenvolver em São Paulo, documentos como o regulamento, carta de recomendação, currículo, portfólio e a ficha de inscrição. Além disso, deve apresentar uma proposta de interação com os alunos e professores da Fundação, uma vez que a Residência FAAP também tem o objetivo de promover a troca de experiência entre a comunidade artística. Essa interação pode ser por meio de palestras, workshops, parcerias, entre outras atividades.

O regulamento se encontra aqui viagra pour homme quebec.

A Seleção de projetos para a Programação dos Centros Culturais OI FUTURO 2017 visa à concessão de patrocínio financeiro a projetos apoiados pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro e pela Lei Municipal de Incentivo à Cultura do Rio de Janeiro, para integrar a programação dos centros culturais localizados na cidade do Rio de Janeiro. O Programa Oi de Patrocínios Incentivados investe e apoia projetos artísticos de diversas naturezas.

As inscrições vão até o dia 10 de fevereiro. Confira aqui o edital.

 

Marcos Bonisson

Marcos Bonisson

Marcos Bonisson é artista, nasceu no Rio de Janeiro. Desde 1977, trabalha com fotografia, Super 8 e vídeo.

Estudou gravura, desenho e fotografia na Escola de Artes Visuais do Parque Lage no final da década de 70 viagra ou en trouver.

Marcos Bonisson é formado em Letras, Pós-Graduado em Arte e Cutura e Mestre em Ciência da Arte (UFF). Bonisson tem participado de inúmeras exposições no Brasil e no exterior, tendo seu trabalho no acervo de importantes coleções: Museu de Arte Moderna do Rio, Maison Européenne de La Photographie, Fondation Cartier Pour L’Art Contemporain entre outras. Participou da 27ª Bienal Internacional de São Paulo, em 2006 e suas duas últimas exposições individuais foram no MAM-RJ (2013) e na Artur Fidalgo Galeria (2014).

Em nossa loja, você encontra vários trabalhos do artista em diversos formatos, clique aqui.

Miroslav Tichy

Miroslav Tichy

Mendigo, voyeur e esquisitão, foi um fotógrafo incrível !!!

Miroslav Tichy, nasceu em 1926 na República Tcheca, estudou pintura na Academia de Arte em Praga. Preso por ser “estranho”, e considerado subversivo, Tichy passou muitos anos nas cadeias e prisões, até que ele foi libertado na década de 1970.

Após a sua libertação, vagou em sua pequena cidade em trapos, exerceu a sua profissão como um artista fotografando a forma feminina nas ruas. (mais…)

Pin It on Pinterest